Como regularizar ou renegociar suas dívidas e limpar nome sujo?

O processo pelo qual uma pessoa fica com “nome sujo” – expressão para quem tem restrição em órgãos de proteção ao crédito – já é bem conhecido. A empresa credora envia a informação do débito para o SPC, Serasa ou SCPC, que envia uma notificação para o devedor informando que, por causa da sua dívida, seu nome poderá entrar para a lista de inadimplentes.

Esta notificação dá tempo para que o devedor resolva a situação antes que seu nome seja negativado. Depois que o devedor regularizou sua situação, a empresa credora tem cinco dias úteis para informar os órgãos de proteção ao crédito para retirar seu nome da lista de negativados.

Caso a empresa não tenha enviado esta notificação, ou tenha sido extraviada por algum motivo,  existe a possibilidade da consulta do CPF de forma grátis pelo Serasa, SPC e SCPC (consulta grátis online), ou a consulta paga, que em alguns aspectos é melhor do que a consulta grátis pelo fato de apresentar mais informações do CPF pesquisado.

Para resolver a situação e limpar um nome sujo, a melhor forma é procurar a empresa credora e fazer uma renegociação. Fora isso também existem alternativas como determinados tipos de compra de dívida ou linhas de crédito específicas para a quitação de débitos.

Está começando a virar tradição de que todos os anos os órgãos de proteção ao crédito façam também os feirões para quitação de dívidas, onde se reúnem várias empresas credoras com propostas interessantes para consumidores que estejam com nome sujo. Neste sentido a Serasa oferece o “Feirão Limpa Nome Online” e a Boa Vista Serviços o “Mutirão Acertando Suas Contas“.

No site Boa Vista Serviços, administradora do SCPC, existem inclusive apostilas para reeducação financeira, orientando desde a limpar o nome quanto a manter um bom perfil para ter acesso ao crédito.

Situações que podem deixar o “nome sujo”

Cheques sem Fundo

O consumidor tem seu nome incluso no CCF – Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundos – se tiver o mesmo cheque devolvido duas vezes pelo banco. Após a segunda devolução o próprio banco inclui o cheque no CCF – enquanto o credor envia a notificação da dívida para os órgãos de proteção ao crédito.

Após o pagamento da divida, o cheque deve ser resgatado a fim de se apresentar ao banco, junto com as declarações negativas de cartórios de protesto a fim de que a notificação seja retirada do CCF.

Carnê de loja atrasado

Depois de pagar ou renegociar sua dívida com a loja, a empresa tem cinco dias úteis para solicitar aos órgãos de proteção ao crédito que retire seu nome da lista de inadimplentes. Vale a pena solicitar um recibo declarando que a dívida foi paga. Em geral, renegociações com lojas consideram uma multa de 2% em relação ao valor total da dívida e juros de 1% por mês de atraso.

Cartão de crédito

Assim como na questão do carnê, a instituição financeira tem cinco dias úteis para retirar o nome do consumidor dos órgãos de proteção ao crédito, depois que a dívida tenha sido paga.

Nas renegociações de cartão de crédito, além da multa de 2% sobre o valor total da dívida, os juros mensais não respeitam um limite comum, podendo chegar até a 14% ao mês. Caso o consumidor considere a taxa abusiva, deve procurar o Procon para orientação.

Empréstimo de financeira

Na renegociação com empresas financeiras os juros mensais também não respeitam um limite. Vale a dica do cartão de crédito quanto a procurar o Procon caso sinta que a cobrança é abusiva. A multa de 2% do valor total costuma ser cobrada também.

Título protestado

Cheques e notas promissórias são títulos que podem ser protestados. Quando ocorre um protesto, o cartório envia uma carta para o consumidor informando que ele tem  48 horas para regularizar sua dívida.Quando o consumidor não paga, o cartório pode solicitar a Serasa o SCPC que inclua o nome do consumidor no cadastro de inadimplentes.

Nesta situação o primeiro passo é ir ao cartório buscar saber quem registrou o protesto. Depois deve-se procurar o credor que está com o cheque ou com a nota promissória e pagar a dívida. Feito isso, o credor deve preparar um recibo de pagamento – garantia de que a dívida foi paga, constando a data do pagamento, seu valor o número do cheque, nome, RG, CPF e assinatura do credor.

Com o recibo e o cheque em mãos o consumidor deve ir até o cartório e pagar uma taxa – que varia conforme o valor da dívida – para retirar o protesto. O cartório tem cinco dias úteis para informar o SCPC e Serasa, pedindo a retirada do nome da lista de inadimplentes.

7 Comentários

  1. Michele cristina 10 de janeiro de 2018
  2. Edineia Ferreira Gonçalves pontes 16 de novembro de 2017
  3. edivan 16 de novembro de 2016
  4. silvanacristinasouza 5 de novembro de 2014
  5. Luiz Csrlos Espirito Santo 5 de novembro de 2014
  6. Ruth Mendonça silva 5 de novembro de 2014
  7. rose 4 de novembro de 2014

Deixe um Comentário